sexta-feira, 31 de julho de 2020

A Live

Compartilho a gravação da live anunciada no post anterior com os leitores do blog.

Acesse o link para assistir.

segunda-feira, 27 de julho de 2020

Tempo de lives



Estamos restritos às nossas casas mas, quase que magicamente, podendo ir a qualquer lugar e conversar ao vivo com gente que raramente encontrávamos por causa da distância geográfica e, de quebra, podendo interagir com muita gente.

Por isso convido a quem de voces esteja livre no horário e tenha interesse, a participar da live que faremos na quarta-feira à tarde, eu e Cleia Barbosa - nutricionista e pedagoga de Ouro Preto, quando falaremos sobre a minha pesquisa, ou seja, falaremos mal das mamadeiras.

Eu tenho aproveitado bem essa fase:
- fiz o curso Conhecimentos básicos em amamentação para avós, com a Val (ver detalhes abaixo), enfermeira gaucha;
- participei como palestrante do Seminário de preparação para a Semana Mundial de Aleitamento Materno, organizado pelo pediatra Marcus Renato de Carvalho;
- e também da live que publiquei aqui no post anterior.

O importante é que a gente se ocupe com aquilo que nos motiva.

Espero que todos estejam bem.


CURSO ON LINE – plataforma ZOOM*
*Público Alvo*: Pessoas leigas (avós e demais interessadas em apoiar mulheres na Amamentação)
Turma II: 5 horas/aula; das 17 às 18h - dias 3, 5, 7, 10, 12 e 14/08 (segundas, quartas e sextas). As aulas serão gravadas e ficarão disponíveis até 31 de Agosto. Será formado um chat no WhatsApp para tirar dúvidas e compartilhar vivências do inicio do curso até o final do mês de agosto/2020.
Investimento: R$ 45,00
Inscrições: ATÉ 1° DE AGOSTO (ou até completarem as vagas!) pelo e-mail amamentartmj@gmail.com ou WhatsApp (54) 99998-7080


quinta-feira, 16 de julho de 2020

Voltando ao assunto em uma live





Depois de alguns meses, retorno ao blog para compartilhar com vocês uma conversa que tive com Ethel Leon e Frederico Duarte sobre a minha pesquisa.

Foi muito especial essa oportunidade de levar o assunto às pessoas da minha área - o design - pois a desconstrução que faço das mamadeiras nem sempre me permite adentrar em alguns fóruns (iconoclastia?).

Ao acessar o link Desmontar o sistema de consumo, recomendo que o vídeo seja iniciado aos 16 minutos. A leitura dos comentários surpresos dos participantes revela o quanto se faz necessário divulgar o assunto.

Peço desculpas pela longa ausência aqui. Estou feliz por estar de volta, desejando saúde e paz para todos e cheia de coisas pra contar.



Ethel, a anfitriã, atualmente é minha professora de História do Design em um curso que tem contribuído para a manutenção do meu interesse pelos estudos nessa pandemia, me proporcionando momentos em que mergulho com tudo nesse assunto que me é tão caro. Ela é historiadora, foi editora da revista eletrônica Agitprop (para a qual resenhou meu livro) e é autora de livros muito expressivos para a nossa área. Frederico Duarte é crítico e curador de design e soube do meu livro por Ethel, selecionando-o para uma exposição de design brasileiro em Lisboa, em 2017, de projetos de design "fora da curva", da qual muito me orgulho de ter participado.

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Casas grávidas


Niki de Saint Phalle, 1966


As casas estão grávidas
Guardam gente dentro de seus cômodos
                                                     Gente que quer sair,
                                        que já conhecia o "lá fora"

Elas são um lugar pra esperar 
Esperar
Esperar

No mundo inteiro as casas estão grávidas grávidas estão grávidas no mundo inteiro elas estão grávidas

segunda-feira, 16 de março de 2020

Beijos e abraços antes do Corona vírus



Poucos dias antes de entrarmos nessa verdadeira loucura de enfrentamento do Corona vírus, nesse confinamento em que estamos (sabe-se lá até quando ...), aconteceu o lançamento de Histórias de aleitamento em tirinhas no pilotis da PUC-Rio.

Foi muito interessante perceber o quanto o tema chamava a atenção de quem passava por ali, pessoas variadas que tinham netos, filhos recém-nascidos, conhecidos prestes a se tornar pais. E muitos de meus convidados marcaram presença, trazendo a alegria do encontro e o interesse pelo projeto.

Dos 70 exemplares, foram vendidos 52 naquela tarde (!), e o livro segue disponível na Livraria Carga Nobre (PUC-Rio) e no site da Editora Timo.

Coloco a seguir alguns dos registros que fizemos. As carinhas estampam todo o carinho envolvido em contar e em visualizar tirinhas sobre um assunto tão importante.


Mônica Herz e João Struchiner, ela do IRI e ele amigo desde a ESDI

Wanda, da Livraria Carga Nobre

Luiza Novaes e Jackeline Farbiarz, do Departamento de Artes e Design

Sônia Kramer, do Departamento de Educação

Vitor Valadão, aluno

Maria de Lourdes Sette, que traduz o texto do livro para o inglês

Hélio Bueno, desde a Arte do Jornalismo da TV Globo

Sara Kislanov, do Departamento de Psicologia

Luiza e Malu, alunas

Uma pessoa interessada

Adélia Jeveaux, minha filha

Fadel e Rosângela, da Fiocruz

Vera Bernardes, da ESDI, da PUC

Foi muito, muito legal!
Tudo de bom e fiquem em casa, tá?

sexta-feira, 6 de março de 2020

Lançamento do livro Histórias de Aleitamento em Tirinhas no Rio de Janeiro!




É com muita alegria que anuncio a vocês o lançamento do meu livro de tirinhas aqui no Rio, na PUC.
Ele é uma versão sintetizada dos assuntos que tratei na tese - fundamentos desse blog- e que estão publicados no livro Amamentação e o desdesign da mamadeira.

Talvez o evento possa possibilitar o encontro com alguns de vocês, leitores do blog. Para mim seria um imenso prazer conhecê-los pessoalmente!

Abaixo, a apresentação do livro. Até lá!



Histórias de aleitamento em tirinhas é um desdobramento da pesquisa de doutorado O desdesign da mamadeira, defendida por Cristine Nogueira Nunes em 2010, na PUC-Rio.

Procurando ampliar o raio de disseminação das informações levantadas, a autora se dedicou a conceder visualidade a alguns dos aspectos mais relevantes desse sempre atual e importante assunto: a segurança alimentar dos bebês.

Seis histórias são precedidas por textos de reconhecidos especialistas que acompanharam a produção do conteúdo. Assim, a história da alimentação artificial de bebês, os problemas da mamadeira, a argumentação em defesa do copo como meio alternativo à amamentação, as histórias da Metodologia Mãe Canguru e do pioneiro grupo Amigas do Peito compõem a publicação, encerrada por um depoimento de mãe sobre sua história particular.

O livro foi lançado durante o XV Encontro Nacional de Aleitamento Materno/II Conferência Mundial de Aleitamento Materno, no Rio de Janeiro, em novembro de 2019, e está em sua segunda tiragem.

Histórias de aleitamento em tirinhas
Cristine Nogueira Nunes
Editora Timo, São Paulo
36 páginas
R$ 20,00

sábado, 22 de fevereiro de 2020

De como as coisas acontecem



Em 2007 eu pedi a uma amiga de meu marido - médica do Instituto Fernandes Figueira, que conseguisse uma oportunidade para que eu pudesse entrar lá e mostrar para alguém alguns trabalhos desenvolvidos por meus alunos, vinculados a UTI neonatal e a amamentação. Ela conseguiu, e levei comigo uma querida aluna de cabelo azul. Fomos recebidas pelo diretor do Banco de Leite à época, João Aprígio Guerra de Almeida, que viu os trabalhos com muito interesse, dizendo do quanto era importante agregar cada vez mais pessoas à proteção, incentivo e apoio à amamentação, assim como que nos convocando, sabe?

Na época eu cursava meu doutorado em Design na PUC-Rio e desenvolvia uma pesquisa voltada para os Direitos Humanos, mas ainda sem recorte delimitado. Estava ali no IFF só porque sempre achei um desperdício bons trabalhos de alunos de Design não virarem "de verdade".

Achávamos que o encontro se encerraria com aquela conversa, mas ele fez questão de nos apresentar a seu colega, o pesquisador Franz Novak, no laboratório. Mais novidades, mais daquele clima de convocação até que ele me perguntou: _Já que é designer, você sabe que as mamadeiras fazem mal?

Eu não sabia. Ele me explicou. Me emprestou o livro de João Aprígio, Amamentação, um híbrido natureza-cultura e a tradução do relatório The baby killer, de Mike Muller. Daí nos levou pra outra sala, pra conhecer Sandra Pereira, responsável pela comunicação da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, que naqueles tempos passava a ser Ibero-Americana (os dois, João e Franz, ficavam viajando pra muitos países para multiplicar a experiência brasileira). Sandra anotou meu endereço de e-mail e depois me deu livre acesso ao rico banco de imagens que eles acumulavam.

Caramba ... eu tinha ido lá pra mostrar os projetos dos alunos ... mas esse lance de eu ser designer e nunca ter parado pra pensar que a mamadeira pudesse fazer mal me abalou muito. Amamentei minha filha, mas lá pelas tantas a migração pra mamadeira foi feita sem questionamento algum...

Na PUC. Rafael Cardoso era meu professor na disciplina História do design brasileiro, do doutorado. Chegando ao fim do semestre, fui percebendo que eu só queria saber de ler os livros que Franz havia me emprestado, deixando outros conteúdos da tese de lado. Até que um dia Rafael me deu um ultimatum: afinal qual seria o tema de meu trabalho para a sua disciplina?

Eu me deixei levar pelas evidências e mergulhei na análise da campanha do Ministério da Saúde Madrinhas da Amamentação, nadando naquele monte de imagens que Sandra havia me enviado, movida pela indignação com o estado das coisas referentes ao tema.

Eu estava irreversivelmente contagiada. E foi assim que entendi que meu trabalho sobre os Direitos Humanos e o envolvimento estrutural do Design com as políticas econômicas tinham, na mamadeira, um objeto-símbolo.

Escrevo tudo isso para dizer que João Aprígio recentemente ganhou um prêmio incrível pelo seu trabalho. Seu e de toda a sua equipe, como ele insiste em frisar. Ele ganhou o prêmio Dr. Lee Jong-wook de Saúde Pública de 2020, conferido pela Organização Mundial de Saúde, por seu trabalho na promoção do aleitamento materno no Brasil e no mundo. E sabe aquela rede ibero-americana de bancos de leite que eu citei? Ela se tornou Rede Global de Bancos de Leite Humano!

Mas contei toda essa história, coroada pela participação dele em minha banca de doutorado, porque acho que ela revela um pouco do jeito que um trabalho dessa monta precisa ser pra prosseguir, crescer, se disseminar. João Aprígio parece não desprezar nenhuma oportunidade de agregar pessoas e interesses para essa grande causa, com atenção, delicadeza, seriedade e paixão pelo que faz.

Eu fui literalmente abduzida e agradeço pelo sentido que tudo isso deu à minha vida.